-

  • Biblioteca Escolar - Escola Secundária de Vila Real de Santo António
  • sexta-feira, abril 17, 2009

    Soeiro Pereira Gomes



    - Nasceu em Gestaçô, no norte, em 1909, faz terça-feira um século, e aos 22 anos fixou-se em Alhandra - para nela um dia se descobrir escritor e dela fazer cenário central da sua obra. Assinava Soeira Pereira Gomes.Viveu 40 anos - morreu em 1949 - e deixou dois romances, "Esteiros" e "Engrenagem", um livro de contos, "Contos vermelhos", crónicas. A este contributo como escritor, e indissociável dele, há que juntar o que Soeiro prestou como cidadão e militante do Partido Comunista, ao qual aderiu, já em Alhandra, em finais dos anos 30 (são desencontradas as informações sobre o ano exacto dessa adesão).
    Na então pequena vila ribeirinha do Tejo, Soeiro, empregado na Cimentos-Tejo, hoje Cimpor, envolve-se em actividades de dinamização cultural e desportiva. Organiza aulas de ginástica para os filhos dos operários da fábrica, impulsiona a criação de bibliotecas populares nas colectividades locais, participa na construção de uma piscina...
    Nessa piscina haveria de "nascer", anos mais tarde, um campeão da natação de fundo, de "águas abertas" - Baptista Pereira, o rebelde Gineto dos "Esteiros".
    Porque a isso o impele a sua consciência de militante, Soeiro, já então com um cargo dirigente no partido, participa na organização de greves e manifestações em Maio de 1944. Lutava-se contra o racionamento de bens essenciais, a carestia, o agravamento das condições laborais.
    A PIDE já há algum tempo lhe seguia o rasto, procura-o - e Soeiro é forçado a entrar na clandestinidade. Como centenas de outros.
    Os anos seguintes são de intenso, duro trabalho para o partido - com inevitável preterição da actividade literária.
    Já então tinha sido publicada a sua obra maior, "Esteiros". O livro saiu em 1941 com ilustrações de Álvaro Cunhal.
    Na homenagem ao escritor, na Sociedade Euterpe Alhandrense, à passagem dos 50 anos da sua morte, Cunhal recordou ter sido o próprio Soeiro a pedir-lhe que ilustrasse o livro.
    "E assim fiz - contou -, certo, porém, de que os modestos desenhos não eram dignos do valor da obra literária. Observação atenta da vida, `Esteiros` é um romance de profundos sentimentos de amor e ternura pelas crianças e transmite (sem o explicitar) a indignação pela exploração e miséria de que são vítimas".
    "Esteiros" é hoje reconhecido como um dos títulos paradigmáticos do neo-realismo português. É a história do Gaitinhas, do Coca, do Maquineta, do Gineto, de outros garotos forçados pela fome ao trabalho nos esteiros, canais abertos pelo Tejo na margem alhandrense e de onde se retirava barro para fazer tijolo e telha (nos telhais).
    "Esses garotos miseráveis (...) deram a Pereira Gomes a oportunidade de se destacar de entre todos os escritores da mesma geração e de tendência idêntica: porque, melhor do que nenhum, ele soube compreender as suas personagens, porque, como nenhum, as soube amar", escreveu Adolfo Casais Monteiro, poeta presencista e cunhado de Soeiro.
    Publicado postumamente (1951), "Engrenagem", em cujo manuscrito o escritor deixou marcada a intenção de o rever um dia, é - na síntese de Urbano Tavares Rodrigues há anos publicada no jornal "Avante" - "uma incisiva análise das relações económicas e humanas numa vila ribatejana e numa fábrica de ferro e aço (semelhante nalguns aspectos à dos Cimentos-Tejo, onde o autor foi chefe de escritório) e verdadeira epopeia das lutas do operariado industrial" .
    Os "Contos Vermelhos" têm como pano de fundo a vida clandestina dos militantes comunistas.
    Sobre eles, também nas páginas do "Avante", escreveu o poeta e ensaísta Manuel Gusmão. "Contam acções de personagens em situações excepcionais, porque a clandestinidade política é um estado de excepção, por um lado porque é violentamente imposta, por outro, porque aqueles que a ela se decidem, sempre minoritários, o fazem para acabar com a situação que a impõe".
    Dia 19 de Abril em Alhandra e entre Novembro e Fevereiro de 2010 em Vila Franca de Xira, Soeiro Pereira Gomes será alvo de homenagens: a primeira no Museu local (Casa Sousa Martins) e a segunda no Museu do Neo-Realismo.

    Sem comentários: