-

  • Biblioteca Escolar - Escola Secundária de Vila Real de Santo António
  • terça-feira, abril 05, 2016

    ABRIL - A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA: DIREITOS AMBIENTAIS E CIDADANIA AMBIENTAL

    Hoje, pelas 10 horas e 30 minutos, na Biblioteca Escolar, ocorreu a atividade inserida no Plano de Ação do Projeto Eco-Escolas A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA: DIREITOS AMBIENTAIS E CIDADANIA AMBIENTAL com a deputada da Assembleia da República e lider do Partido Ecologista os Verdes, Heloísa Apolónia. 


     


    Estiveram presentes os alunos das seguintes turmas acompanhados pelos seus professores: 11.º A (Carlos Fernandes - Biologia e Geologia; Helena Mesquita - Fisico-Quimica; Adriana Pereira - Filosofia); 11.º B (Teresa Lopes - Biologia e Geologia e José Carlota - Fisico-Quimica); 11.º C - Pedro Teixeira (Português);  10.º A (António Macedo - Filosofia e Helena Mesquita - Físico Quimica) e 101 - Auxiliar de Saúde (Paulo Silva - Biologia e Ana Margalha - Fisico-Quimica).


    Momento prévio do evento: explicação do professor Paulo Silva sobre a importância e a dinâmica do Projeto Eco-Escolas

     

    Momento de preparação do evento onde uma aluna distribui aos presentes
    o artigo 66.º da CRP.


    Receção da Prof. Bibliotecária e do Prof. Coordenador do Projeto Eco-Escolas
    à Deputada Heloísa Apolónia e ao
      Responsável pela Organização do PEV no Algarve Joaquim Correia.


    Receção da Direção da Escola Secundária de V.R.S.A. na pessoa do Senhor Diretor Vitor Junqueira e do Vicediretor António Lima aos convidados.


    Numa sala repleta de alunos e professores (alguns ali se deslocaram por iniciativa pessoal), onde as cadeiras não chegaram para tantos participantes, o artigo 66.º da CRP - Ambiente e Qualidade de Vida foi o mote para assinalar os 40 Anos da Constituição da República Portuguesa e enaltecer a importância de se exercer uma cidadania ambiental responsável e participativa.


     É importante destacar que a senhora deputada da assembleia da república revelou uma boa empatia com os jovens e registou o seu apresso pelo trabalho desenvolvido no âmbito do Projeto Eco-Escolas/Biblioteca Escolar mostrando-se agrada com o trabalho de parceria.


     Durante a exposição ressalvou a importância dos jovens enquanto "elo de determinação no futuro do país" e apelou à intervensão consciente e critica na política.
     Fez um enquadramento político da Constituição de 1974; uma referência histórica às sucessivas Revisões Constitucionais e ressalvou o papel crucial da Constituição Portuguesa "Lei Mãe do País a que todas as demais leis devem obediência" (palavras da deputada).


      Analisou amiúde o artigo 66.º da CRP destacando os direitos e os deveres de todos em contribuir para um bom ambiente, e em que o Estado tem o dever de implementar politícas ambientais envolvendo as pessoas nestas questões.

    Ressalvou, ainda, que é necessário tomar consciência que o Planeta é Finito e que, numa atitude de solidariedade geracional, há que ter responsabilidade para com as gerações futuras para que possam poder viver neste planeta. Nesse sentido é preciso controlar a poluição e as formas de erosão e promover o reordenamento do território tendo em conta a conservação da natureza.

    Lembrou que quando pensamos em Educação temos de pensar em Ambiente e que os três pilares ambiental, social e económico estão necessariamente interligados. A componente ambiental é transversal a todas as áreas.


    Heloísa Apolónia oscultou a sensibilidade dos jovens sobre a atitude sobre o ambiente e houve um notorio envolvimento dos alunos e dos professores no período de debate e de reflexão de ideias. 

    Fruto desse debate e relativamente à Prospeção de Petróleo na Costa Algarvia os convidados referiram que a posição dos Verdes não é favorável a esta medida, pois entendem que não é benéfico para o Algarve, nem para a população algarvia, sendo prejudicial para a economia local que assenta nas Pescas e no Turismo, com graves prejuizos para os ecossistemas. Acrescentaram que não se realizaram estudos do impacto ambiental antes das prospeções e que o interesse público nunca foi defendido. Afirmaram que a posição do governo português é de que prospeção não é sinónimo de exploração mas que está em vista a exploração, ainda que o contrato a nivel financeiro beneficie, apenas, em 10% o Estado Português.

    Quanto à denuncia de situações gravosas ao meio ambiente, Heloísa Apolónia elucidou que os cidadãos podem entrar em contacto com os deputados eleitos da Assembleia da República, as Câmaras Municipais ou a APA.

    Os professores coordenadores da atividade registaram com agrado a disponibilidade que a senhora deputada Heloísa Apolónio e o responsável pela Organização dos Verdes no Algarve, senhor Joaquim Correia, demonstraram em aceitar o convite para visitar a nossa escola e abordarem com os alunos o tema do Ambiente e Qualidade de Vida na Constituição da República e consequente implicação nos direitos e nos deveres dos cidadãos.

                                                   Aos dois convidados o nosso muito obrigado.

    1 comentário:

    evtng disse...

    Excelente intervenção da deputada, grande atenção dos alunos e boa participação!
    Faz falta mais iniciativas deste género.
    Parabéns à biblioteca da ES de VRSA.